Rush: No Limite da Emoção (Rush) – 2013

Infelizmente ainda hoje muitas pessoas confundem rival com inimigo. E muitas vezes é o seu rival que te faz evoluir, ele é o obstáculo para sua superação e ao mesmo tempo é o seu espelho, permitindo ver suas habilidades, falhas e limitações. E “Rush” fala sobre isso, além de uma ambientar numa outra época da Fórmula 1.

Rush-Official-Poster-Banner-Poster

Pra mim quando se fala em rivalidade na Fórmula 1 vem direto na mente Ayrton Senna e Alain Prost durante o final dos anos 80 e início dos anos 90. Talvez você que esteja lendo seja somente um garotinho de 20 e poucos anos criado com leite de pêra e ovomaltino deve pensar no Ash e Gary de Pokémon e ache a F1 sem graça. E até concordo, mas lá naquela época a cada quinze dias o domingo era dia de assistir F1 e torcer para o Senna. Depois almoçávamos macarrão com frango assado da padaria.  Mas o assunto é o filme sobre a rivalidade entre o austríaco Niki Lauda e o britânico James Hunt.

O Certinho e o Fanfarrão

Eu nunca tinha ouvido falar em James Hunt, já o Niki Lauda era figura conhecida nos paddocks. A competição entre os dois antecede a F1, surgindo nas categorias de acesso à principal competição de automobilismo do mundo.

No filme Niki Lauda (Daniel Bruhl) é totalmente focado, centrado em correr e vencer. Dono de uma genialidade para realizar alterações no veículo para tirar o máximo da performance, olha e analisa cada trajeto da pista. Graças a isso, junto com Clay Regazzoni, vão para a Ferrari.

Já  James Hunt (Chris Hemsworth) chega até a F1 com sua fama de beberrão, pegador, festeiro. Mas isso não o impede de ser um exímio piloto. O problema é conseguir patrocinadores com esta fama. E quem diria que com a saída do brasileiro Emerson Fittipaldi, surge uma vaga na McLaren. E o que acontece?

Porque todo grande homem tem uma grande mulher (ou não muito pelo contrário)

Enquanto Clay tenta fazer Niki se enturmar com o pessoal, este um Joselito sem tamanho dá mais um coice e Clay larga ele antes de entrar numa festa, lá ele conhece aquela que seria sua futura esposa(Alexandra Maria Lara). E como ele é um poeta com as palavras!

James num de seus treinos conhece a bela modelo interpretada por Olivia Wilde e se casa. Mas acaba dando merda no final e eles se separam (e não é spoilers!)

Nesse ponto chegamos até 1976 ano do ápice da rivalidade, ambos com carros competitivos e com talento de sobra, cada um de seu jeito. Niki estava muito a frente de James na pontuação quando ocorre o acidente que causou queimaduras em seu rosto e danos nos pulmões.

Enquanto se recuperava, Hunt se aproximava cada vez mais do primeiro lugar no campeonato. Isso foi o que motivou Lauda a retomar o quanto antes a corrida. Ele não iria deixar seu rival ganhar tão facilmente.

Foi bom não ter lido muito sobre a história do final do campeonato antes de assistir, porque não encrenquei com nenhuma liberdade poética, para romancear um pouquinho este filme. Na última prova cai uma chuva torrencial e… veja o filme, vale o ingresso!

Rush Poster James Hunt Niki Lauda

Anúncios

Um comentário sobre “Rush: No Limite da Emoção (Rush) – 2013

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s